Sexta, 21 de Janeiro de 2022
28°

Nuvens esparsas

Salvador - BA

Economia Camaçari

Após desastre em AL, Braskem anuncia fim de produção na Bahia

A Braskem informou, que vai paralisar definitivamente a produção de cloro soda localizada em Camaçari

02/02/2021 às 09h59
Por: Redação Fonte: Monitor Mercado
Compartilhe:
Após desastre em AL, Braskem anuncia fim de produção na Bahia

A Braskem informou, nesta segunda-feira (1), que vai paralisar definitivamente a produção de cloro soda localizada em Camaçari, na Bahia, devido ao fim da vida útil do ativo, que está em atividade desde em abril de 1979.

O anúncio foi feito por Almir Viana Cotias Filho, líder de vinílicos da companhia, em teleconferência sobre o desastre geológico que causou afundamento do solo em Maceió devido à extração de sal-gema em área urbana.

Com o fechamento da planta na Bahia, a companhia irá importar parte da produção. Já na planta de Alagoas, a Braskem está em fase de comissionamento da planta de soda cáustica, que espera concluir até o final do primeiro trimestre de 2021.

"Esperamos uma recuperação de ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e melhora de spreads ao longo do ano com a retomada das operações", disse Pedro Freitas, diretor financeiro da Braskem. 

PROVISÕES

O impacto financeiro do desastre geológico em Maceió será de R$ 8,8 bilhões no quarto trimestre. 

"A Braskem tem o objetivo de continuar acelerar a negociação por compensações aos moradores dos bairros afetados pelo desastre geológico que causou afundamento do solo devido à atuação da companhia na extração de sal-gema em área urbana com falha geológica desde 1975", disse o advogado Thiago Fontana Gemignani, que representa a companhia no gerenciamento do caso em Maceió, em teleconferência da companhia sobre o caso. 

Segundo a apresentação feita por Filipe Alves Tavares, jurídico do caso Maceió, existem quatro processos contra a companhia referentes ao caso de Maceió, que somam R$ 38,6 bilhões. O MPT-AL pede R$ 3,7 bilhões para reparar trabalhadores, enquanto o poder público federal e estadual clama R$ 6,7 bilhões para compensar os danos aos moradores dos bairros atingidos e o MPF-AL R$ 28,2 bilhões, pelos danos sociais e ambientais. Há ainda uma ação de investidores detentores de ADRs da companhia, que alegam perdas por omissão e informações falsas sobre o desastre.

Em 2021, a prioridade será estabilizar a governança do programa social e urbanístico, disse a companhia, que apresentou à ANM um plano para estabilizar e monitorar 35 áreas de extração de sal. 

O plano é considerado como "de difícil execução" pela companhia, que espera avançar sua implementação nos próximos meses. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.